(Divulgação)

Douglas não teria sido morto por dívida de R$100, segundo delegada que atua no caso

Foi preso por equipes do Batalhão de Choque em Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande, Josimar Barros, de 29 anos, acusado do assassinato de Douglas Júnior Ojeda, de 22 anos, no dia 25 de setembro, na rua Yokohama, em Campo Grande. Ele estava foragido desde o dia do crime

Ele foi preso na noite dessa quarta-feira (20). As equipes estavam em rondas por bairros da cidade, quando avistaram Josimar, que correu da viatura para o interior de uma casa. Quando abordado, disse que tinha um mandado de prisão, por isso fugiu.

Douglas não foi assassinado por dívida de R$ 100. De acordo com a delegada Marília de Brito, da 7ª Delegacia, foi apurado, durante as investigações, que o autor do assassinato estava irritado com barulhos de motocicletas perto de sua casa. Ele saiu armado e foi em direção a Douglas e seus amigos, questionando sobre os barulhos. 

Marília ainda disse que, no dia do crime, nem Douglas ou os amigos estavam fazendo barulhos com motocicletas, mas, mesmo assim, o autor fez os disparos que atingiram a vítima. Douglas morreu no local antes da chegada do socorro. A delegada ressalta que testemunhas são ouvidas. 

O crime

Douglas foi assassinado durante uma emboscada. Populares que ouviram os disparos chegaram a acionar o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), mas ele já estava morto. No dia seguinte ao crime, moradores da região da Vila Almeida relataram que as confusões são constantes no local, com tumulto, aglomeração, uso de bebidas alcoólicas e drogas.

“No fim de semana tem tumulto, bebedeira e usuários de droga. Todo fim de semana é isso, muitos jovens usando drogas, estava demorando para isso acontecer”, relatou um comerciante próximo ao local.

O pai do autor do crime disse que, na hora do ocorrido, tentou segurar o filho, que acabou fugindo. Muito abalado, ele disse que o filho acabou envolvido com jogo, drogas e bebida. “Resultou nisso”, lamentou.

FONTE: MÍDIA MAX

Comentários