Divulgação: PF

Na manhã desta sexta-feira (03/12), foram cumpridos 5 mandados de prisão preventiva e 11 de busca e apreensão, todos expedidos pela 1ª Vara Federal de Corumbá/MS.

A investigação atual é um desdobramento da operação de mesmo nome deflagrada em agosto deste ano. Foi possível detectar que, mesmo após a operação realizada naquele mês, um novo grupo criminoso atuaria explorando a lacuna deixada pelo grupo anterior, alvo da primeira ação.
Eles articulavam um esquema de travessia de haitianos pelo local conhecido como “Trilha do Gaúcho”, na divisa do Brasil com a Bolívia. Nos períodos da manhã e noite estes suspeitos buscavam meios de atravessar ilegalmente os migrantes, entre eles diversas crianças e mulheres grávidas, sempre exigindo vantagem econômica para tal fim.
Já dentro da trilha, os estrangeiros eram auxiliados por “carregadores” bolivianos, que tinham a função de mostrar o percurso até o território do país vizinho, além de prestar apoio no transporte das malas dos haitianos, mediante o pagamento de valores abusivos.
Em ocasiões em que os “coiotes” foram acompanhados pelos policiais foi possível observar que, ao menos uma vez, cidadãos haitianos foram abandonados no meio da rua, após os criminosos perceberem a aproximação da polícia.
Os investigados poderão responder pelos crimes de promoção de migração ilegal e organização criminosa (art. 232-A do código penal e art. 2 da lei 12.850/2013), conforme aprofundamento dos trabalhos investigativos.
A operação chamou-se FOM’ALE II em razão da continuidade dos trabalhos da FO M’ALE. Este nome faz alusão a uma expressão em idioma Creole, falado no Haiti. Esta expressão significa “preciso ir embora” em tradução livre, e aduz a vontade destas pessoas em deixarem o país em busca de novas oportunidades em países como Chile, México e Estados Unidos.
A Delegacia da Polícia Federal em Corumbá/MS mantém canal de denúncias anônimas através do e-mail [email protected] e do telefone 67 9 9131 9355. Caso saiba de informações sobre este ou outros casos de competência da PF entre em contato.

FONTE: PF

Comentários